Notícias Notícias

TRT/MS fica em 4º lugar dentre os TRTs no Ranking da Transparência do CNJ

O Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região é o quarto mais transparente entre os TRTs do país, de acordo com o Ranking da Transparência do Poder Judiciário - 2020, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O portal na internet do TRT24 atingiu um desempenho de 89,73%.

Todos os órgãos do Poder Judiciário participaram da avaliação. Na classificação geral, o TRT de Mato Grosso do Sul ocupa a 30ª posição entre 92 tribunais avaliados. Os dados foram anunciados nessa terça-feira (18), durante sessão solene comemorativa dos 15 anos do CNJ.

Nos anos anteriores, o TRT24 não havia obtido resultados satisfatórios no Ranking da Transparência. Em 2019, o TRT24 ficou em 89º lugar com uma pontuação de 58,33%. Já em 2018, ocupou a 90ª posição, com um índice de 42,57%. O bom resultado é fruto do trabalho de gerenciamento do Portal do tribunal, somado à política interna de revisar conteúdos e procedimentos administrativos para atender as exigências da Lei de Acesso à Informação.

Avaliação da transparência

Esta é a terceira edição do Ranking da Transparência do CNJ, que tem como objetivo estimular os órgãos do Poder Judiciário a tornar disponível para a sociedade suas informações de forma clara e padronizada, facilitando o acesso dos cidadãos aos dados dos conselhos e dos tribunais, conforme estabelecido na Resolução CNJ Nº 260/2018.

Os itens avaliados incluem desde informações como a divulgação de horários de atendimento ao público e levantamento estatístico sobre a atuação do órgão, dados relativos a licitações, íntegras de contratos firmados, rendimentos dos tribunais, entre outras informações tornadas disponíveis nos sites dos órgãos judiciais.

Nesta edição, o CNJ fez alterações significativas nos itens usados para avaliar a transparência nos tribunais e conselhos e que faziam parte das portarias que regulamentavam as duas edições anteriores do Ranking. Na edição de 2019, foram avaliados mais de 140 itens, já na edição deste ano foram analisados 85. O objetivo é que o Conselho concentre seus esforços de avaliação da transparência nos tópicos de maior relevância.

Com informações do CNJ